Você é o Hacker

De Área31 Hackerspace
Revisão de 10h04min de 14 de dezembro de 2019 por Coffnix (discussão | contribs)
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)

Autor: Hiago Kin

Não se misture. Você é o hacker. Você faz a mistura. Você não é DEV, não é DBA, não é SysAdmin, não é CSM, nem GSEC, nem NCSF, nem o tal do OSCP. E o tal do CEH? Não, meu amigo, nada mesmo minha amiga, não se iluda na matilha, não se perca no cardume: você é hacker. E isso é melhor que qualquer certificação. Você é hacker antes mesmo de um professor enfiar o dedo na sua cara e te advertir porque você está fazendo diferente do que foi pedido à turma. Você é hacker porque vê esses momentos de variação de consumo de recursos de máquina em câmera lenta e age ali. É hacker porque vê a baba branca no canto da boca do teu chefe enquanto ele te pede pra seguir as normas e procedimentos técnicos e fica olhando aquilo sem entender palavra alguma.

Não se iluda com teu salário legal e nem com a camaradagem dos times de "inteligência" ou "Cybersecurity". Não tem nada pra você ali além de recursos. Uma loja de doces. Você é hacker. Não se venda por dinheiro. Não se suje de gordura de coxinhas. Drogas pra quê se o arrepio do suor frio do hacking chapa sua alma, tira lágrimas, estoura inodes da pupila.

Pode vestir seu terno preto. Pode trabalhar de cueca em casa, mas não se iluda com sua imagem de executivo nem de vadio: seu compromisso está com o hacking, com explorar e até criar brechas que ninguém tá vendo - Então seja o ninguém. Aceite o nada. E do nada tire o mais puro hacking que você conseguir. Leve um dia inteiro no café. Leve uma noite inteira se for preciso. Leve meses se for necessário, mas tombe o server da ignorância e da arrogância que há em você, mantenha a dos outros, explore isso como brecha também, scaneie sonhos, construa possibilidades, você é um hacker, não se esqueça: você faz, e fala só o que te leva a fazer. Você não dá tiro de aviso, você não ameaça, você não amedronta, você faz. Você não conta vantagem, você não vive em vangloria, você não vive em vão: crie um vão de propósito entre você e o suicídio, e viva, viva intensamente, porque você vai morrer e, se tudo der certo: durante seu melhor hacking: sua vida.

Então não se confirme com pessoas nem aplausos. São armadilhas. Não se conforme com o mundo. Não se limite aos parâmetros do que você é, hackeie a si mesmo. Não se misture, faça a mistura. E apague seus rastros da melhor maneira: hackeie antes o que cria e detecta os teus rastros.

Não viva pela fama. Viva pelo anonimato que há em você. Ninguém entra aí onde só você se conhece. Do you fell me? Explore a realidade de que nunca irão te admirar por muito tempo, afinal nunca te conhecerão de verdade. Use o tempo como um filme para mitigar teus rastros. Use a realidade como cortina para teus objetivos. Seja hacker até morrer e até a morte. Vão tentar te usar e te abusar: serão peças na tua mão. Não mate o hacker em você pelo silêncio da dor da solidão de estar só. Isso não vai passar, então supere abraçando essa solidão para não se misturar, e fazer a mistura que te fará o melhor hacking.

Esta poderia ser uma homenagem a Dennis Ritchie, mas é a você, hacker: nunca se esqueça o que você é.